Tudo sobre os crucifixos

 

Como os crucifixos chegaram ao seu pescoço?

Nos países ocidentais, especialmente naqueles com cultura católica como é o caso do Brasil, o crucifixo é um ornamento bastante comum e popular, que demonstra não apenas uma opção religiosa, mas também simboliza uma herança cultural coletiva.

A cruz é o principal ícone do cristianismo e representa o sacrifício de Jesus pelos pecados da humanidade, um emblema de importante significado religioso para cristãos desde o terceiro século depois de Cristo.

É um dos símbolos mais reconhecidos no mundo, e um dos mais utilizados, e não apenas como ícone cristão, estando presentes em diversas culturas pelo mundo.

Os góticos, uma subcultura representada no cinema, na música, na literatura e, principalmente, na moda, também adotaram a cruz como símbolo cultural, mas deram a ela um novo significado.

A cruz gótica, como é conhecida, é desenhada e adornada de acordo com a estética gótica da arquitetura europeia do período medieval, e simboliza dor, escuridão e mistério. É um dos principais itens da estética gótica, como a cor preta, e está mais relacionada a uma ideologia estética do que a uma crença específica.

No mundo da moda, o crucifixo foi massificado a partir dos anos 1980, quando a cantora Madonna reinterpretou a cruz gótica e a fundiu com a cruz cristã, trazendo elementos das estéticas cristã e gótica para os seus clipes e shows.

A utilização do crucifixo evoluiu nos últimos 30 anos e hoje está onipresente na moda, em colares, anéis, bolsas, camisetas, tatuagens, entre outros.

Estilistas famosos como Alexander McQueen e Jean-Paul Gaultier costumam utilizar crucifixos em suas criações, o que fez com que celebridades também aderissem principalmente os acessórios com a imagem da cruz, como pingentes e brincos.

Além de Madonna, que utiliza crucifixos até hoje, famosos como Katy Perry e Neymar costumam utilizar esse tipo de elemento com bastante frequência. Além deles, muitas outras celebridades também integraram o crucifixo ao visual em algum momento, trazendo um novo significado para o símbolo.

No Brasil, o retorno do crucifixo aos holofotes aconteceu em 2012, durante a São Paulo Fashion Week, e já no ano seguinte aparecia em destaque em colares, brincos e roupas.

As composições possíveis dos crucifixos são diversas, principalmente se você for utilizar do modo mais comum, em um colar.

Podem ter um cordão mais comprido, posicionando o crucifixo na altura do umbigo, o que alonga a silhueta, e podem ser combinados com uma camiseta básica. Também pode ter um tamanho mais curto, posicionando o crucifixo na altura do colo, o que chama a atenção para os seios.

Os diferentes materiais também adicionam camadas de estilo, e pode ser de madeira, aço, adornado com pedrarias, de ouro, prata ou bijuteria. Para cada material existe uma composição com uma textura de roupa que vai fechar a combinação, seja você seja adepta do visual gótico ou utilize muitas roupas leves e florais.

Agora é escolher o modelo mais adequado ao seu estilo e transformar o seu visual em algo único, trazendo novos olhares e novas oportunidades!